quarta-feira, 21 de abril de 2010

olho razo
transborda
fácil

quinta-feira, 15 de abril de 2010

the hall of mirrors

.
Insônia. taquicardia. sinto como se alguma coisa estivesse explodindo dentro de mim. por fora, tudo parado, 2 da manhã, calminho até demais. Tem alguma coisa que está para chegar. eu espero. mas não espero parada, embora quem me veja pense que eu esteja. tenho certeza. eu sei que meu coração está, ao contrário do meu corpo, taquicardíaco, espontaneamente, apressado demais, ansioso. tenho vontade de rolar no chão, de nadar pelada na lama, qualquer coisa extravagante e louca que dê vazão as minhas fantasias e, se possível, extrapole a minha imaginação. o inimaginavél me suga como um imã, e eu nem ao menos sei para onde estou indo com tanta vontade. acabei de escrever um texto sobre o mesmo tema faz 2 minutos e já não é mais o mesmo. a vida passa porque a cada segundo realmente tudo já mudou completamente. e mesmo assim eu repito meus erros. estou ficando velha. tem uma ruguinha que começou aos 21, aparecendo exporadicamente e agora ela não quer me largar. será que tudo isso também começou aos 21? será que essa ruguinha já não estava lá há muito tempo esperando meu cansaço aparecer? suponho que sim. mas de qualquer forma decidi que vou comemorar o aparecimento de cada uma, e agradecer. porque a final eu pretendo vivenciar a transformação do meu corpo e do mundo enquanto valer a pena. enquanto eu aguentar.

(esse final ainda nao ficou bom...)


na radiola: the hall of mirrors, Kraftwerk